quinta-feira, 28 de maio de 2009

Ser Escravo no Brasil: O Cotidiano (I)

______________________________
.
.
Nas duas últimas partes do livro, diferentemente de alguns daqueles que pesquisam o Brasil Colonial, como Fernando Novais ou Jacob Gorender, o objetivo de Kátia Mattoso ao pesquisar o escravo, naquele período histórico, não é simplesmente analisá-lo do ponto de vista econômico e social, dentro de um dado modo de produção.

Sua visão, bem próxima a historiografia da Nouvelle Histoire francesa, descendente direta da Escola de Annales, é de uma análise social, econômica, psicológica e cotidiana - uma história total - do escravo e do seu meio vivente.

"As relações de produção não bastam para definir a es­cravidão; elas limitam abusivamente tudo aquilo que permite situar essa massa de indivíduos não obrigatoriamente partici­pantes de um modo de produção mas que, ao contrário, são ads­tritos a tarefas e funções das quais depende a própria exis­tência da classe dominante, numa verdadeira inversão do re­lacionamento habitual entre explorados e exploradores"(1).

Kátia Mattoso é uma das precursoras da história colonial a este nível. Posteriormente muitos outros pesquisadores vol­tam a mergulhar no cotidiano dos escravos : Os Leigos e o Po­der, de Caio Cesar Boschi (1986), Ideologia e Escravidão, de Ronaldo Vainfas (1986). "Deve ser reconhecido, porém, que as pesquisas de base sobre o cotidiano e a resistência escrava ainda se encontram, infelizmente, nos seus primeiros passos"(2).

Nos capítulos que constam da segunda parte do livro a au­tora se debate com algumas dicotomias dentro da sociedade es­cravista. Obediência versus resistência, imposição versus persuasão, por exemplo. É através delas que gostaria de ana­lisar aqueles capítulos.

Por que, por exemplo, a maioria dos negros obedeciam as regras criadas pelos brancos ?

De acordo com a autora, os negros (mercadoria) perdiam sua identidade social ao serem presos na África e levados ao Brasil. Isto em condições que bem podemos imaginar. O negro, já escravo, chegava no Brasil necessitando de uma identidade ( elemento necessário a qualquer ser humano que vive em soci­edade ).

Kátia Mattoso descreve o mundo em que chega o ne­gro, sem nenhum direito a mudá-lo. Todos, negros e brancos, esperam dele alguma coisa. Os brancos, a sua fidelidade, obediência, sua crença no seu deus único. Os outros negros desejam a sua solidariedade.

A ideologia do branco vai com o tempo sendo imposta aos escravos, principalmente através do ensino da língua portuguesa e da religião. Assim o negro, despersonalizado na sua chegada a algum porto brasileiro se torna um escravo.

1 - MATTOSO, Katia. Ser Escravo no Brasil. Brasiliense. 1990. p. 101.

2 - CARDOSO, Ciro Flamarion (Org.). Escravidão e Abolição no Brasil: Novas Perspectivas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988. p 25.
.
Parte final no próximo post...

Um comentário:

Anônimo disse...

o banzo (falta de identidade?!) levou milhares à morte...

Além de estarem longe de casa (mama áfrica) eram agrupados com diferentes etnias, isto para reforçar a perda da sua cultura particular (língua/ dialeto, crenças e tradições)...

Loading...