quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

O Complô de Belas Almas

_____________________________



O tema é amplo: a relação entre dominação e o saber, a relação entre o intelectual e a universidade como instituição dominante ligada a dominação, a universidade antipovo.

A universidade está em crise. Isso ocorre porque a sociedade está em crise; através da crise da universidade é que os jovens detectam as contradições profundas do social, refletidas na universidade.

A universidade não é algo essencial como a linguagem; ela é simplesmente uma instituição dominante ligada a dominação. Não é uma instituição neutra; é uma instituição de classe, na qual as contradições de classe aparecem.

Para obscurecer esses fatores, ela desenvolve uma ideologia do saber neutro, científico, a neutralidade cultural e o mito de um saber "objetivo", acima das contradições sociais.

Hoje, a universidade, forma a mão de obra destinada a manter nas fábricas o despotismo do capital; nos institutos de pesquisa, cria aqueles que deformam dados econômicos em detrimento dos assalariados; nas suas escolas de direito, forma os aplicadores de legislação de excessão; nas escolas de medicina, aqueles que irão convertê-la numa medicina do capital ou utilizá-la repressivamente contra os deserdados do sistema.

Em suma, trata-se de "um complô de belas almas" recheadas de títulos acadêmicos, de doutorismo substituindo o bacharelismo, de uma nova pedantocracia, da produção de um saber a serviço do poder, seja ele de que espécie for.

***

O autor do texto é o pensador libertário Maurício Tragtemberg (1929-1998).

Segue a sinopse, do livro Sobre Educação, Política e Sindicalismo, do qual o texto foi transcrito:

Após 30 anos da primeira publicação desta coletânea, o autor surpreende pela atualidade do pensamento e análises elaboradas no final dos anos 70. Com diversos artigos, depoimentos e um debate com o autor, é abordada a relação entre saber e poder, escola e burocracia, escola e domesticação e a existência da "delinqüência acadêmica". Traz, novamente, a proposta corajosa e viva de que a história construirá a escola popular e de acesso ao povo e apresenta debate que expõe o que significam os vestibulares à universidade, concluindo que "é lamentável que loucos dirijam cegos".

Um comentário:

ρoësis disse...

é... Vc ganhou mais um fã para o blog. Lutemos pela informação para um mundo mais justo!

Loading...