quarta-feira, 11 de março de 2009

APRENDE A VIVER....

______________________________
.
.
Viver supõe colocar-se a disposição de si mesmo, criando dia a dia a alegria de experimentar e desfrutar de tudo que é novo.

Mas quando somos pequenos e parece que desfrutamos, comendo “guloseimas” completamente cheias de deliciosas químicas, perdemos, na realidade, a ocasião de ocupar a rua correndo e descobrir um enorme mundo que nos rodeia e nos é desconhecido.

Quando vamos crescendo somos aparentemente felizes comprando produtos de marca que nos fazem parecer “mais interessantes” para o resto das pessoas, mas perdemos a linda ocasião de ser corpos livres que desfrutam do que fazem ou sentem, em lugar de adormecer nossas mentes com a ânsia superficial e desesperada de que nos olhem ou contemplem.

Quando gastamos tempo e energia para conseguir os objetos anunciados na TV, estamos esquecendo nossa capacidade de criar, imaginar e desenvolver nossas capacidades em gozar desse tempo da nossa existência.

Quando vamos crescendo, e não descansamos até conseguir um carro fabuloso ou uma moto “incrementada”, deixamos de lado o prazer da relação com as pessoas porque agora já unicamente somos disciplinados a nos satisfazer com objetos metálicos, de fria textura e desoladora realidade.

Quando vendemos nosso futuro de liberdade, para adquirir um “apartamento de não sei quantos metros quadrados” ou um “quarto e sala bonitinho”, é obvio que hipotecamos nosso futuro de felicidade, porque já unicamente nos dedicamos a pagar e pagar... condenando-nos ao cárcere da competitividade desumanizada.

Consumir é sinônimo de paraíso de liberdade e quanto mais gastamos e gastamos, mais adormecemos o sentido da vida e nossos sonhos se convertem em pesadelos, nossa verdade em subjetividade, nosso amor em conta corrente e nossa liberdade no pássaro abatido pelo tiro fortuito desta triste realidade.

Aprender a viver é desfrutar do pequeno e insignificante da vida, do sentimento que transborda nossas relações, do improvisado e desvalorizado; é em definitivo estar disposto a abordar o mundo sem essa maleta de necessidades em que convertemos nossas ilusões e desejos.

Texto encontrado no boletim Bandeira Negra,
tendo como fonte o boletim da Escola Paideia, Mérida, Espanha.
Nov-Dez de 2004

4 comentários:

Anônimo disse...

Reiner SCHÜRMANN:

“Para uma cultura obcecada com as profundezas do eu – ocultas, inconscientes,(...) – a auto-constituição anarquista significa a dispersão da reflexão direcionada para dentro, para reflexos voltados para fora na medida dos sistemas de poder que devem ser curto-circuitados, desqualificados e destruídos.”

Anônimo disse...

Hermann Hesse:

Se existisse apenas um ensinamento em que

pudéssemos acreditar! Todas as coisas se contradizem,

passam ao lado umas das outras sem se tocar, e em parte

alguma existe a certeza. A tudo se pode conferir um

dado significado ou o significado contrário. Podemos

apresentar a história universal como um processo

de evolução e progresso, e considerá-lo ao mesmo

tempo decadência e absurdo. Não existirá a verdade?

Não existe um conhecimento genuíno e válido?...

Não devemos aspirar ao conhecimento perfeito, mas

ao aperfeiçoamento de nós mesmos.

A verdade é vivida e não ensinada teoricamente.


in:

O Jogo das Contas de Vidro - Hermann Hesse

Anônimo disse...

CONSUMO SIM.
SEM CONSUMO NÃO HÁ PROGRESSO, NÃO HÁ CRESCIMENTO, NÃO HÁ TRABALHO PARA TODOS.

VAC disse...

Tá aí a liberdade da classe média... Liberdade, pra ela, é consumir, em suma. Ser livre pra ir ao shopping nos fins de semana, pra se "desestressar", e escolher entre os produtos de marca A, B, C. Assim, um salário maior permite um incremento de liberdade, ideologicamente dizendo; não a reprodução da vida material e objetiva.

Loading...